Introdução à filosofia

o pathos do espanto e as grandes questões existenciais

  • Diogo Barros Bogéa UERJ
Palavras-chave: Filosofia, Espanto, Questões existenciais.

Resumo

Resumo: Texto de introdução à filosofia, com ênfase na noção de “espanto”, que, segundo Platão e Aristóteles, constituía do pathos fundamental do pensamento filosófico. Arrancando-nos do fluxo automático da vida cotidiana, o “espanto” abre a possibilidade de colocarmos em questão tudo aquilo que tomávamos tranquilamente como “certo” e “verdadeiro”. Trazendo em nosso auxílio pensadores tais como Nietzsche, Heidegger, Hannah Arendt e Ortega y Gasset, procuraremos demonstrar em que sentido o pathos do “espanto” e o enfrentamento das grandes questões existenciais humanas constituem o fundo da autêntica prática filosófica.

Palavras-chave: Filosofia. Espanto. Questões existenciais.

 

Abstract: Introductory text to Philosophy, with emphasis on the notion of "wonder", which, according to Plato and Aristotle, constituted the fundamental pathos of philosophical thought. Pulling us out from the automatic flow of everyday life, the "wonder" opens the possibility of questioning all that we took quietly as "right" and "true". Bringing to our aid such thinkers as Nietzsche, Heidegger, Hannah Arendt and Ortega y Gasset, we will try to demonstrate in what sense the pathos of "wonder" and the confrontation of the great human existential questions constitute the bottom of the authentic philosophical practice.

Keywords: Philosophy. Wonder. Existential questions.

 

REFERÊNCIAS

ARENDT, H. A vida do Espírito. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; UFRJ, 1992.

COSTA, J. S. da. A origem da Filosofia. In: CABRAL, Alexandre Marques; SAMPAIO, Juliana Lira; BITTENCOURT, Renato Nunes; BARROS, Tiago Mota da Silva. Filosofia: um panorama histórico-temático. Rio de Janeiro: Mauad, 2013.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil Platôs I. São Paulo: 34, 2000.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. O Anti-Édipo. São Paulo: 34, 2010.

DI GIORGI, F. Os caminhos do desejo. In: NOVAES, Adauto. O desejo. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

FAETONTE, C. A; PAMPLONA, F. Nova Ode Mundial. Niterói, 2014.

HEIDEGGER, M. Seminários de Zollikon. Petrópolis: Vozes, 2009.

HEIDEGGER, M. Que é isto – a Filosofia?. In: HEIDEGGER, M. Conferências e escritos filosóficos. São Paulo: Abril, 1973.

HEIDEGGER, M. O que chamamos pensar?. Tradução: Edgar Lyra. Ainda não publicado.

LYNCH, D. Cidade dos Sonhos (Filme). Mulholland Drive. EUA, 2001.

LYOTARD, J. F. Por que filosofar?. São Paulo: Parábola, 2013.

MAGNO, MD. A psicanálise, novamente. Rio de Janeiro: Novamente, 2004.

MAGNO, MD. Revirão. Rio de Janeiro: NovaMente, 2003.

NIETZSCHE, F. Assim falava Zaratustra. São Paulo: Cia das Letras, 2011

NIETZSCHE, F. Ecce Homo. São Paulo: Cia das Letras, 2008

NIETZSCHE, F. Além do Bem e do Mal. São Paulo: Cia das Letras, 2005

NIETZSCHE, F. A Gaia Ciência. São Paulo: Cia das Letras, 2001

PESSOA, F. Ode Marítima. Orpheu nº 2. Lisboa, Abr-Jun 2015

PIRANDELLO, L. Um, Nenhum e Cem mil. Rio de Janeiro: Cosac-Naify, s/d

PLATÃO. Apologia de Sócrates. São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Coleção Os Pensadores).

SHAKESPEARE, W. As you like it. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

Biografia do Autor

Diogo Barros Bogéa, UERJ

Doutor e Mestre em Filosofia pela PUC-Rio. Licenciado em História pela UERJ-FFP. Professor de Filosofia e Psicanálise na Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. BOGÉA, Diogo. Desenvolve pesquisas nas áreas: Filosofia Contemporânea, Filosofia da Educação, a presença da Filosofia na formação de professores, Filosofia e Psicanálise.

Publicado
2019-10-24
Como Citar
BOGÉA, D. B. B. Introdução à filosofia. Trilhas Filosóficas, v. 12, n. 1, p. 83-98, 24 out. 2019.
Seção
DOSSIÊ INTRODUÇÃO À FILOSOFIA E FILOSOFIA DO ENSINO DE FILOSOFIA